Na contramão da crise, brechós voltam à moda e geram lucro

Economia é de até 80% em relação a produtos novos, diz Sebrae nacional. Nos últimos cinco anos, varejo de usados cresceu 210% no Brasil.

Não é todo o mundo que está perdendo com a crise. Sempre tem um setor ou outro que consegue sobreviver melhor. É o caso dos brechós, que vendem roupas de segunda mão e estão dando muito lucro para quem vende e aliviando o bolso de quem compra.

A crise só não atingiu em cheio o comércio da Nathalie França, porque ela apostou num segmento que está voltando à moda: o brechó. “O público que está frequentando agora o brechó é um público que não frequentava. Eu nunca vendi tão bem como estou vendendo bastante agora”, garante.

O que até um tempo era considerado cafona, caiu muito bem no momento em que o dinheiro anda sumido da carteira. Os preços no brechó são bem acessíveis. Em um deles, as peças vão de R$ 2 a R$ 20.

A reportagem montou dois kits para que se entenda como é possível fazer economia nesse tipo de compra: um de roupas novas e outro de roupas usadas. Tem macacão, manta, sapato, gorro, fralda. Um não sai por menos de R$ 700 e o outro, com a mesma quantidade de peças, só que de segunda mão, em média, R$ 100.

De acordo com o Sebrae nacional, nos brechós o consumidor economiza até 80% em relação a produtos novos. “Eu montei o meu enxoval aqui no brechó, comprei tudo. Com o dinheiro que sobrou, eu consegui montar o quarto do bebê”, conta a professora Daniela Simões.

Nos últimos cinco anos, o comércio varejista de usados cresceu 210% no Brasil. A maioria desses negócios está no estado de São Paulo.

E não é preciso sair de casa para comprar seminovos. Os brechós online fazem o maior sucesso. Camila Catujo montou um só de brinquedos. “Tem bastante procura. Hoje o brechó está sendo uma alternativa para um pai de família, então eu acho que tem bastante resultado sim”, afirmou.

Se o momento exige cuidado na hora de comprar, quem está bem no negócio segue a boa e velha sabedoria popular, como diz a dona de brechó Dolores Laurito:“Sempre tem um sapatinho usado para um pé cansado, isso é verdade!”.